|||| Greve é um sinal ao Governo para que não ignore os seus professores

Greve é um sinal ao Governo para que não ignore os seus professores
2018-03-12
Greve é um sinal ao Governo para que não ignore os seus professores
 
A Federação Nacional da Educação (FNE) esteve esta tarde no Ministério da Educação (ME) para uma nova ronda relativa à negociação das condições de recuperação do tempo de serviço congelado.


A delegação da FNE, composta pelo Secretário-Geral (SG) João Dias da Silva, pela Vice-Secretária-Geral Lucinda Dâmaso e pelos Secretários Nacionais Josefa Lopes, Gabriel Constantino e José Eduardo Gaspar, ouviu o Governo limitar-se a concretizar aquilo que tinha sido a proposta apresentada na reunião anterior, que aconteceu a 28 de fevereiro e que comprime a carreira dos professores que esteve congelada 9 anos, 4 meses e 2 dias, em 2 anos, 9 meses e 18 dias.

Para João Dias da Silva "tinham-nos dito que eram 2 anos, e 10 meses, agora concretizaram esta nova proposta, no que parece ser um ‘rolo compressor' sobre o tempo de trabalho que os professores realizaram. A carreira dos professores é transformada num acordeão: num dia é amalgamada, comprimida, em 2 anos, 9 meses e 18 dias e a seguir é alargada porque desta forma o tempo de duração da carreira vai ser muito maior do que aquele que inicialmente estava previsto para que se desenvolvesse a carreira dos professores", afirmou.

Para a FNE, isto é absolutamente inaceitável. É inaceitável que o ME hoje não tenha feito mais do que concretizar esta decisão de ignorar o tempo de trabalho que os professores realizaram. Para o SG da FNE "durante estes 9 anos, 4 meses e 2 dias os alunos tiveram aulas, prestaram provas, fizeram exames, terminaram ciclos de estudos, entraram no ensino superior, tiveram certificados de formação. E agora o Ministério da Educação quer ignorar todo este trabalho que os professores realizaram e dizer-lhes que esse tempo afinal não existiu, que esqueçam esse tempo, que não pode ser contabilizado para a sua carreira. O Governo não pode ignorar este tempo", disse.

Os professores nesta greve de 13,14,15 e 16 de março vão dizer ao Governo que este não pode ignorar, não pode fazer desaparecer ou comprimir o tempo de serviço que esteve congelado. João Dias da Silva deixou o apelo: "É fundamental que a resposta dos professores a esta decisão conclusiva do ME quanto a este procedimento de recuperação do tempo de serviço congelado, seja uma adesão fortíssima à greve. Vamos participar nesta greve com toda a convicção de que é nesta greve que temos de dar uma resposta e um sinal ao Ministério da Educação e ao Governo de que não podem ignorar os seus professores".


 

Voltar

|||| Destaques

Mai 2018

FNE Online

Edição do jornal online FNE está disponível para consulta

Ler Mais
Comunicados SPZC
Ler Mais
40 anos SPZC

José Ricardo, presidente do Sindicato do Sindicato dos Professores da Zona Centro, faz o balanço de 40 anos de ação

Ler Mais
Negociação Formação Saúde Informação Social Cultural Jurídico