|||| "No futuro o desenvolvimento vai assentar no conhecimento"

"No futuro o desenvolvimento vai assentar no conhecimento"
2018-05-14
 
Auditório cheio no ISCAC - Coimbra Business School, em Coimbra, para receber a quinta Conferência do Ciclo de Conferências 2018, com o tema "Educação e Formação para um desenvolvimento sem desigualdades" e que tem levado a vários locais do país o desafio do debate sobre o futuro da Educação em Portugal.
 

O Secretário-Geral da FNE, João Dias da Silva, abriu a sessão alertando para a necessidade cada vez maior de se discutir a educação e quais as melhores formas de aumentar a formação e a qualificação sem desigualdades. Presentes na mesa de abertura estiveram também Manuel Castelo Branco, Presidente do ISCAC, que defendeu que sem educação não há desenvolvimento económico; Jorge Santos, Vice-Presidente do SPZC - que fez questão de deixar uma palavra de apoio para José Ricardo, Presidente do SPZC, ausente por motivos de saúde - realçou que é essencial mudar o papel da educação de forma a impedir desigualdades; Carlos Silva, Secretário-Geral da UGT afirmou que é uma desigualdade o Estado não valorizar nem tratar bem os seus trabalhadores, acrescentando que o grande problema é as finanças terem capturado o social retirando alguma capacidade para se alcançar uma escola com mais qualidade.

Fechada que estava a sessão de abertura foi a vez do primeiro convidado, Rui Antunes, Presidente da Escola Superior de Educação de Coimbra, trazer novos dados ao debate. O conferencista expôs dados que demonstram fatores que levam a desigualdades como o género, habilitações académicas e a idade. Segundo os números apresentados por Rui Antunes, quanto maior for a formação, maior é a probabilidade de empregabilidade, sendo este um dos maiores fatores de diferenciação que a educação provoca. O Presidente da Escola Superior de Educação de Coimbra apresentou ainda dados estatísticos que definem que quanto maior é o nível de educação, menos problemas as pessoas irão ter de depressão devido à satisfação que sentem com a vida. Para Rui Antunes, todas estas desigualdades são problemas fulcrais que cabe à escola resolver.

A intervenção do primeiro convidado foi comentada por um painel composto por Jorge Castilho (Jornalista), Fernando Manuel Cortez Rovira (Diretor do Agrupamento de Escolas de Mira), Olinda Martinho Rio (SINTAP) e José Manuel Matos de Carvalho (SPZC/FNE) onde foi unânime a concordância com tudo o que foi dito na intervenção, realçando a surpresa face a alguns dos números apresentados relativamente aos fatores de desigualdade no acesso aos empregos e salários. Os comentadores defenderam ainda a ideia de que é necessário adaptar a escola à heterogeneidade que se criou nos últimos anos ao nível dos alunos sendo que é necessário trabalhar com os alunos na sala, mas também fora dela.

            

Margarida Mano, membro da Comissão Parlamentar de Educação e Ciência e antiga Ministra da Educação, colocou a questão: Qual a missão da educação? A resposta, para a própria, é preparar gerações para o futuro. Para a antiga Ministra, tudo está a acontecer a uma velocidade elevada e é necessário tomar cada vez mais atenção a qual o melhor caminho para preparar cada aluno e para responder aos problemas desse futuro. A conferencista, através do chamado 'gráfico do elefante' mostrou que com a globalização o mundo está menos pobre, diminuindo as desigualdades em termos médios apesar de ter diminuído de forma desigual. Margarida Mano defendeu ser muito importante reforçar o papel do professor na sala de aula, acrescentando ainda que no futuro o desenvolvimento vai assentar no conhecimento e isso vai colocar a escola num lugar primordial na sociedade.

Lino Vinhal (Diretor do Jornal Campeão das Províncias), Fernando Miguel Pereira (SBC), Mário Jorge Silva (SPZC/FNE) e Fátima Carvalho (SPZC/FNE) constituíram o segundo painel de comentadores. Destaque para a intervenção de Lino Vinhal que defendeu o ensino profissional e a sua importância, por muitos desvalorizada, comentário que arrancou aplausos à plateia. Todo o painel concordou com as ideias apresentadas por Margarida Mano salientando a necessidade de preparar o futuro da educação esbatendo as desigualdades e criando soluções para resolver os problemas que existem e que ainda vão surgir, colocando a tónica final dos comentários no papel que os professores vão ter, pois o futuro é hoje e é necessário que os docentes se adaptem às novas tecnologias, mas nunca permitindo que a inteligência artificial os ultrapasse, pois o humanismo de um professor é algo inatingível por qualquer máquina futurista.

A sessão de encerramento contou com José Gaspar, Vice-Presidente do Instituto Politécnico de Coimbra, Jacinto Santos, Presidente da UGT-Coimbra, Jorge Alves, Vereador da Educação da Câmara Municipal de Coimbra e Lucinda Manuela Dâmaso, Presidente da UGT. A principal mensagem no final desta conferência centrou-se na conclusão de que é necessário realizar uma reflexão conjunta, assim como realizar investimento na educação e formação, perceber o que se pretende do ensino profissional e qual o papel deste no futuro da educação.


Voltar

|||| Destaques

Mai 2018

FNE Online

Edição do jornal online FNE está disponível para consulta

Ler Mais
Comunicados SPZC
Ler Mais
40 anos SPZC

José Ricardo, presidente do Sindicato do Sindicato dos Professores da Zona Centro, faz o balanço de 40 anos de ação

Ler Mais
Negociação Formação Saúde Informação Social Cultural Jurídico