|||| FNE: "O Governo não cumpre o que a lei determina"

FNE: "O Governo não cumpre o que a lei determina"

2018-09-07
FNE:
 
Uma delegação da Federação Nacional da Educação (FNE) constituída pelo Secretário-Geral (SG) João Dias da Silva, pela Vice Secretária-Geral Lucinda Dâmaso, pelos Secretários Nacionais Josefa Lopes, José Eduardo Gaspar, Maria José Rangel e Gabriel Constantino e restantes organizações sindicais estiveram esta tarde reunidos no Ministério da Educação (ME) para retomar o processo negocial sobre as condições de recuperação do tempo de serviço congelado.


E esta reunião representou um retrocesso estrondoso relativamente ao cumprimento do que a Declaração de Compromisso estabelecia sobre a recuperação do tempo de serviço dos professores. A FNE partiu para esta reunião "à procura de encontrar uma forma consensual, negociada, de forma de cumprir a lei e o tempo de serviço congelado, garantindo formas de sustentabilidade para o Orçamento de Estado (OE). Tínhamos propostas que ofereciam possibilidades de caminho sem problemas de execução orçamental para os próximos anos. Mas o Ministério da Educação mostrou-se inflexível e recuperou a proposta apresentada em Março de 2 anos, 9 meses e 18 dias", afirmou João Dias da Silva à saída da reunião.

A partir de janeiro de 2020 todos os funcionários da função pública voltam a estar posicionados no ponto de carreira a que têm direito, independentemente do congelamento, mas para o Governo isto não pode ser aplicado aos professores. Para o SG da FNE "isto é inaceitável e mais, para nós o Governo está a cometer uma ilegalidade porque não cumpre a lei do OE, nem o que ficou estabelecido na Declaração de Compromisso. Aliás, há várias matérias aí referidas que não cumpridas

Desde logo, a situação dos professores indevidamente retidos no primeiro escalão é uma dessas situações. Saiu legislação publicada em 4 de maio mas ainda não foi aplicada, o que faz com que os professores reposicionados ainda não tenham tido direito ao efeito remuneratório deste reposicionamento e o Governo hoje não soube dizer quando irá cumprir este efeito remuneratório.

Outra matéria refere-se ao desgaste da profissão docente, procurando-se mecanismos que reduzam esses efeitos e melhorem o trabalho e as condições de aposentação dos professores sendo que "também nisto o Ministério se recusa a avançar com qualquer proposta" com João Dias da Silva a acrescentar ainda que "há insuficiências no Despacho de organização do ano letivo, nomeadamente no tempo de trabalho pedido aos professores com estes a ultrapassarem sistematicamente os limites de tempo, principalmente na componente não letiva de estabelecimento" disse o SG da FNE.

A FNE reitera que continua tudo como dantes, logo, continua tudo mal. Prossegue o desrespeito pelo trabalho dos professores acrescido este ano com "novas leis que vieram trazer às escolas novas e desconhecidas responsabilidades ao nível da operacionalidade da escola inclusiva, da organização curricular dos ensinos básicos e secundário , exigindo mais tempo e reuniões aos professores o que faz com que o tempo de trabalho dos docentes seja permanentemente ultrapassado." afirmou João Dias da Silva.

Relativamente às iniciativas que se vão seguir como protesto contra esta decisão do Governo, o SG da FNE disse que "esta insatisfação vai-se refletir numa sucessão de plenários em todas as escolas do país na semana de 17 a 21 de setembro. Nesses plenários os professores vão debater a situação atual e decidir o que podem ser outras formas de luta. Mas vamos também avançar com uma greve de 1 a 4 de outubro de modo regional. A 5 de Outubro vamos realizar uma enorme manifestação de professores em Lisboa e estaremos junto à Assembleia da República (AR) na data em que o Governo estiver a apresentar a sua proposta de Orçamento de Estado, assim como no dia em que o Ministro da Educação estiver também na AR para discutir a parte da Educação no OE2019", anunciou.

Basta de desconsideração pelos professores. Vamos exigir que a lei seja cumprida, vamos exigir respeito. Nós não nos calamos e não desistimos.


 
 

Voltar

|||| Destaques

Jan 2019

Mais benefícios na saúde

Ler Mais
Ler Mais
FNE Online

Edição do jornal online FNE está disponível para consulta

Ler Mais
Negociação Formação Saúde Informação Social Cultural Jurídico