|||| Greve Nacional da Administração Pública - FNE presente em ação na Escola Secundária Passos Manuel

Greve Nacional da Administração Pública - FNE presente em ação na Escola Secundária Passos Manuel

 

Greve Nacional da Administração Pública - FNE presente em ação na Escola Secundária Passos Manuel

13-2-2019

O Secretário-Geral da Federação Nacional da Educação (FNE), João Dias da Silva, os Vice-Presidentes do Sindicato Democrático dos Professores da Grande Lisboa e Vale do Tejo (SDPGL) Maria José Rangel e António Sota Martins, e a Presidente do Sindicato dos Técnicos Administrativos e Auxiliares de Educação do Sul e Regiões Autónomas (STAAESRA) Cristina Ferreira, estarão a partir das 08h00m do dia 15 de fevereiro e até às 09h00m, à entrada da Escola Secundária Passos Manuel, na Travessa Convento de Jesus, Lisboa, para apoiarem os trabalhadores em greve nesse estabelecimento de ensino e apresentarem os resultados que forem sendo recolhidos em termos de acompanhamento da greve da administração pública que foi convocada.

A FNE quer desta forma sublinhar a questão dos trabalhadores Não Docentes e da insuficiência dramática de funcionários que garantam o funcionamento das nossas escolas, situação que leva a que existam serviços nas escolas que não funcionam por falta de trabalhadores, mas também com uma sobrecarga para aqueles que se mantêm ao serviço, sem esquecer que se tem continuado o recurso à precariedade para resolver muitos dos problemas das escolas. O Ministério da Educação foi até agora incapaz de procurar resolver estes problemas com as organizações sindicais.

A FNE aproveitará a oportunidade para insistir também na reivindicação do início das negociações para a recuperação do tempo de serviço congelado aos docentes por 9 anos, 4 meses e 2 dias e que é também motivo para esta greve.

É hora de mostrar ao Governo que tem agido mal, mas que pode ir ainda a tempo de corrigir, existindo da nossa parte total disponibilidade para negociação e busca de soluções, como acontece, por exemplo em relação à proposta já apresentada pela FNE no início desta legislatura, com vista ao estabelecimento das carreiras especiais dos trabalhadores não docentes e que foi até agora ignorada pelo Governo durante estes 4 anos, do mesmo modo que continua a ignorar a orientação definida pela Lei do Orçamento de Estado para que se iniciem as negociações relativas à recuperação integral do tempo de serviço congelado aos professores de 9 anos, 4 meses e 2 dias.

O Governo continua a não valorizar nem dignificar o esforço dos trabalhadores da administração pública, sendo por isso inevitável esta greve, a qual tem toda a justificação, permitindo que os trabalhadores demonstrem a sua insatisfação pela sua situação.

Porto, 13 de fevereiro de 2019

A Comissão Executiva

Para imprimir o comunicado, clique aqui

Voltar

|||| Destaques

Jan 2019

Mais benefícios na saúde

Ler Mais
Ler Mais
FNE Online

Edição do jornal online FNE está disponível para consulta

Ler Mais
Negociação Formação Saúde Informação Social Cultural Jurídico