|||| FNE e FESAP em vigília junto à residência oficial do Primeiro-Ministro

FNE e FESAP em vigília junto à residência oficial do Primeiro-Ministro

FNE e FESAP em vigília junto à residência oficial do Primeiro-Ministro

12-3-2019

A Federação Nacional da Educação (FNE) e a Federação de Sindicatos da Administração Pública e de Entidades com Fins Públicos (FESAP) realizam amanhã, quarta-feira, dia 13 de março de 2019, uma vigília, das 17h30 às 21h30, junto da residência oficial do Primeiro-Ministro, em São Bento.

Esta ação contará com a presença de membros das direções dos sindicatos que integram aquelas duas organizações e tem como objetivo entregar ao Primeiro Ministro uma carta, na qual se reforçam as reivindicações que estiveram na base da convocação da Greve Nacional dos dias 14 e 15 de fevereiro de 2019 e que continuam por ser atendidas.

A FNE e a FESAP relembram que durante toda esta legislatura e em todos os orçamentos, desde 2016 até 2019, nunca se promoveu a justa valorização dos trabalhadores da administração pública.

É por isso que existe e se justifica uma enorme insatisfação nos trabalhadores. E essa insatisfação tem expressão nesta ação pois os problemas identificados continuam sem solução e sem previsão de iniciativas negociais por parte do Governo para alcançar algum consenso, nomeadamente:

  • a reivindicação da recuperação integral do tempo de serviço congelado aos docentes e a outros trabalhadores de algumas carreiras da administração pública;
  • a urgência de estabelecimento de novas regras para acesso à aposentação para docentes que considerem o elevado desgaste que o exercício profissional implica;
  • a exigência de respeito pelos limites do tempo de trabalho de docentes e de não docentes que ainda continuam a ser excedidos e que têm sido combatidos através de uma greve de que não desistimos;
  • a exigência do início da negociação do estabelecimento das carreiras especiais dos trabalhadores não docentes;
  • a revisão da Portaria de rácios que permita que as diversas realidades das nossas escolas possam ser contempladas na definição do número de trabalhadores não docentes que lhe devem ser atribuídos;
  • o fim da precariedade entre os trabalhadores que asseguram o regular funcionamento das nossas escolas.
Com esta Greve, a FESAP, a FNE e os trabalhadores reivindicam:
  • aumentos salariais para todos os trabalhadores, colocando um ponto final no congelamento salarial que continua a afetar a vasta maioria dos trabalhadores da Administração Pública e das Entidades com Fins Públicos;
  • atualização do subsídio de refeição e das ajudas de custo;
  • respeito pela avaliação de desempenho, nomeadamente através da contagem de todos os pontos e de todo o tempo de serviço de todos os trabalhadores para efeitos de progressão nas carreiras; a revisão das carreiras gerais e a negociação da criação de carreiras específicas nas mais diversas áreas, como são os casos da saúde e da educação;
  • a conclusão dos processos de revisão de carreiras subsistentes, inalteradas e não revistas em curso e a abertura de processos negociais de carreiras que, incluindo-se nesse conjunto, têm processos negociais estagnados, como sejam, as carreiras da RIAC (Açores); as carreiras da AT; as carreiras de polícia municipal, fiscalização municipal e bombeiros; as carreiras de inspeção externa do Estado; as carreiras dos registos e notariado; a carreira de técnico superior de diagnóstico e terapêutica; a carreira de oficial de justiça; as carreiras do IGFSS; as carreiras do IPMA; as carreiras de informática, entre outras;
  • o cumprimento da norma constante da Lei do Orçamento de Estado para 2019 que determina que o Governo negoceie o prazo e o modo da recuperação integral do tempo de serviço congelado, para todas as carreiras que ainda não viram reconhecido este direito;
  •  o fim efetivo da precariedade que continua a marcar negativamente vários setores, e que sustenta indevidamente o funcionamento das escolas básicas e secundárias e, em muitas circunstâncias, o ensino superior;
  • o cumprimento dos acordos coletivos celebrados, em particular os referentes aos trabalhadores com contrato individual de trabalho dos hospitais EPE, garantindo o direito à carreira e à aplicação das 35 horas de trabalho semanal sem redução salarial;
  • a promoção e dinamização da negociação coletiva em todas as entidades com fins públicos;
  • o direito à formação contínua, que continua a ser escassa ou inexistente em todos os níveis da Administração Pública;
  • o alargamento da ADSE aos trabalhadores com contrato individual de trabalho;
  • o direito à saúde e segurança no trabalho, direito este que o empregador Estado insiste em não respeitar, afirmando-se como um dos piores exemplos nesta matéria;
  • o incremento da mobilidade intercarreiras e respetiva consolidação;
  • a alteração da política de admissões, procedendo ao recrutamento de novos trabalhadores após realização de um levantamento exaustivo das necessidades permanentes dos serviços.

 

Porto, 12 de março de 2019

A Comissão Executiva


Voltar

|||| Destaques

Jan 2019

Mais benefícios na saúde

Ler Mais
Ler Mais
FNE Online

Edição do jornal online FNE está disponível para consulta

Ler Mais
Negociação Formação Saúde Informação Social Cultural Jurídico