|||| FNE e TALIS 2018 coincidem em muitas preocupações

FNE e TALIS 2018 coincidem em muitas preocupações

FNE e TALIS 2018 coincidem em muitas preocupações

19-6-2019

FNE e TALIS 2018 coincidem em muitas preocupações

É preciso valorizar os professores e a condição docente

 

A OCDE - Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico tornou hoje  público o primeiro de dois volumes do “Inquérito Internacional de Ensino e Aprendizagem - TALIS 2018”, intitulado “Professores e Dirigentes Escolares enquanto Aprendentes ao Longo da Vida”, e no qual Portugal participou, juntamente com outros 48 países e economias.

Nele ressaltam alguns dos desafios e preocupações do nosso sistema educativo, para os quais a FNE tem vindo sistematicamente a chamar a atenção do Ministério da Educação (ME), nomeadamente a questão do envelhecimento do corpo docente e uma muito insuficiente oferta e falta de condições para participação em formação contínua.

Os professores portugueses são os quintos mais idosos dos países que participam no TALIS, têm em média 49 anos - mais cinco que a média apresentada - naquela que é classificada como a mudança mais dramática pela OCDE em matéria de idade. Quase metade dos professores portugueses (47%) tem 50 anos ou mais, contra a média da OCDE que é a este nível de 34%, o que exige uma intervenção decidida e que permita o rápido rejuvenescimento do corpo docente, o que só se pode concretizar com medidas para captar os mais jovens para a carreira docente, tornando-a prestigiada e atrativa, como tem insistentemente defendido a FNE.

Portugal classifica-se em quinto lugar a contar do fim, em relação ao número de docentes que durante o ano anterior ao inquérito participaram em qualquer tipo de sessão de formação contínua. As necessidades mais prementes de formação assinaladas pelos docentes portugueses neste estudo incluem TIC, multiculturalismo, multilinguismo e o trabalho com alunos com necessidades educativas especiais, em que Portugal se encontra no 14º lugar da tabela do TALIS.

27% dos professores portugueses assinalam que a formação específica para trabalhar com alunos com necessidades educativas especiais é da maior importância para as suas carreiras e 48% dos diretores sublinham que a qualidade do ensino para este segmento é prejudicada pela falta de professores com esta formação específica. De notar, que 20% dos professores portugueses respondentes afirmaram trabalhar com alunos com necessidades educativas especiais.

Em matéria de formação, os diretores estão no nono lugar a contar do fim, em termos de participação em sessões de formação contínua no ano anterior à realização do inquérito. Ainda neste item, 85% de professores e diretores reportam barreiras na formação e 44% dos professores reportam uma clara falta de apoio por parte da tutela em termos de formação profissional. Isto porque a sua participação na formação profissional contínua que lhes é disponibilizada fica acentuadamente restringida devido a conflitos de horário e à falta de incentivos.

A FNE sabe, por experiência própria, que a falta de formação e do apoio à formação é uma das áreas de que mais se queixam os professores e educadores portugueses. Outra preocupação da FNE, também constante deste relatório, é a baixa percentagem de professores que participam em atividades de formação com base em aprendizagem entre pares e ligação em rede, apesar do relatório apontar a aprendizagem colaborativa como aquela que os professores que participaram no estudo identificam como tendo o maior impacto.

A violência escolar e os comportamentos inadequados de alunos dentro da sala de aula preocupam sobremaneira a FNE, os seus sindicatos e os seus sócios. Tais comportamentos prejudicam o trabalho do professor e o sucesso individual dos alunos. 14% dos diretores referem atos periódicos de intimação ou perseguição em ambientes educativos. Estes incidentes diminuíram em vários países desde 2013.

A nível de motivação, 84% dos atuais professores no sistema educativo nacional indicaram que a sua carreira foi uma primeira escolha, e 71% de professores experientes e 39% de professores com menos idade reportaram a insegurança no trabalho como um fator negativo para o ingresso na profissão. A precariedade e a falta de condições de vida e de trabalho na carreira docente são, sem dúvida, dois dos fatores que mais prejudicam a atratividade docente, pelo que têm sido duas bandeiras constantemente presentes na ação sindical da FNE.

Uma das recomendações mais importantes do TALIS é que os governos se envolvam num diálogo construtivo com os representantes sindicais dos docentes, no sentido da valorização da profissão em si mesma, o que só se consegue se se melhorar o financiamento, as condições de vida, familiares e de trabalho de todos os docentes portugueses.

Este relatório confirma assim muitas das preocupações que a FNE tem procurado apresentar ao Ministério da Educação, mas para as quais este não se tem demonstrado como interlocutor interessado, o que obviamente só conduz à redução das condições de qualidade do nosso sistema educativo, e com prejuízos para os nossos alunos. A FNE não desistirá de continuar a apostar em soluções para os problemas identificados.

 

Porto, 19 de junho de 2019


Voltar

|||| Destaques

Jan 2019

Mais benefícios na saúde

Ler Mais
Ler Mais
FNE Online

Edição do jornal online FNE está disponível para consulta

Ler Mais
Negociação Formação Saúde Informação Social Cultural Jurídico